Singin’ in the rain é uma comédia musical estadunidense de 1952. Retrata o contexto Hollywoodiano dos anos 20, trazendo para as telas dois momentos importantes na história da “sétima arte”: as mudanças na indústria e a transição do cinema mudo para o cinema falado. Na altura em que foi lançado, os musicais eram muito populares entre o público, e ainda hoje é considerado um dos melhores musicais já feitos, estando, por exemplo, na Lista dos 25 Maiores Musicais Americanos de todos os tempos, idealizada pelo American Film Institute (AFI) e divulgada em 2006.

O filme surgiu de uma ideia de Arthur Freed, que tinha um catálogo de músicas escritas por ele e por Nacio Herb Brown, justamente na altura em que os filmes mudos estavam a dar lugar aos “talkies”. Chama então Betty Comden e Adolph Green, de Nova York, para escreverem uma história que ligasse todas essas músicas em um único roteiro. Dessa forma, quase todas as músicas de Singin´ in the rain já existiam antes. Outro musical que utilizou essa prática foi Moulin Rouge! de 2001.

Desafiamos-te hoje a ouvir “Make ´Em Laugh”, uma das músicas que é considerada originalmente escrita para o filme, mas com uma semelhança impressionante com “Be a Clown“, de Cole Porter, usada em outro musical produzido pela MGM Freed, The Pirate (1948). Nesta cena vemos O´Connor, que venceu o Globo de Ouro de melhor ator quando o filme fora lançado. Eis um exemplo de como, sem nenhum efeito especial, a música e a dança estão intimamente ligadas nesse tipo de produção, ao mesmo tempo em que a letra e melodia marcam claramente cada gesto do ator.

Categorias: Cultura