Pages Navigation Menu

Deus vem semear a esperança

banner01

Semeadores da esperança, promotores do encontro | Caminhada de Advento 2016

Breve introdução:

Tendo em conta que o Evangelho de S. Mateus se pode ler todo ele numa chave de esperança, propomos que o nosso ano catequético seja vivido a partir dessa chave.

A – Assim temos no Evangelho:

A grande esperança: O AMOR – (Mt 5, 43),  (Mt 7, 1)

O Homem precisa de esperança–  ( Mt 8 e 9), (Mt 17, 14), (Mt 20,29)

Anunciadores da esperança – (Mt 5, 13…) ;  (Mt 28 16)

As parábolas da esperança: Semeador ( Mt 13, 3), Joio  e trigo … o importante é que surja o trigo ( Mt 13, 24), o grão de mostarda, o fermento – o reino a crescer (Mt 13 31)

Jesus é a esperança há muito desejada:  (Mt 14, 13) e Mt 14 32;  ( Mt 14,22) ;  (Mt 17, 1)

 (Mt 18, 12) ;  ( Mt 19,13)

Somos comunidade de esperança e de perdão: (Mt 18 21) (Mt 20,1), (Mt 21,28); (Mt 22,1)

O Reino da esperança: (Mt 22, 23; (Mt 23,1); (Mt 24 32; Mt 24, 36; Mt 25 1 e 14)

Concretização da esperança:  ( Mt 26, 1 ss)

Surgem, assim, ideias fortes onde sobressai a dimensão da esperança trazida por Jesus e do encontro. Daí os objetivos a desenvolver:

            – Uma Igreja que sai ao encontro do outro

            – Uma Igreja que sabe ser anunciadora e portadora da esperança

            – Uma Igreja com forte dimensão missionária

BA Exortação Apostólica Amoris Laetitia do papa Francisco está cheia de esperança e motivadora do encontro

Para a família deve merecer mais a nossa atenção. Que fazer para que tal aconteça?

  1. a) – Anunciar hoje o Evangelho em família… (AL 200)
  2. b) – À luz da parábola do semeador (Mt 13, 3-9) – (AL 200)
  3. c) – É com humilde compreensão que a Igreja quer chegar às famílias – (AL 200)
  4. d) – Requer-se um esforço evangelizador e catequético dirigido à família (AL 200)
  5. e) – Por isso exige-se da Igreja uma conversão missionária (AL 201)
  6. f) – Os números 202 e 203, são desafios fortes aos seminaristas, aos sacerdotes, (AL 203).
  7. g) – Onde estão os filhos, pergunta-se no capítulo VII no nº 260? E acrescenta-se: ” A família não pode renunciar a ser lugar de apoio,
  8. h) – A educação dos filhos deve estar marcada por um percurso de transmissão a fé, que se vê dificultado pelo estilo de vida atual, – (nº AL 287)
  9. i) – A transmissão da fé pressupõe que os pais vivam a experiência real de confiar em Deus, (Mt 13,31. De grande ajuda é a catequese familiar, enquanto método eficaz para formar os pais jovens e torná-los conscientes da sua missão como evangelizadores da sua própria família (AL 287).
  10. j) – A experiência espiritual,
  11. l) – O exercício de transmitir aos filhos a fé, no sentido de facilitar a sua expressão e crescimento- (AL 289)
  12. m) – Todos deveríamos poder dizer, a partir da vivência das nossas famílias: “Nós conhecemos o amor que Deus nos tem, pois cremos nele“. Só a partir desta experiência é que a pastoral familiar poderá conseguir que as famílias sejam simultaneamente igrejas domésticas e fermento evangelizador da sociedade.

Esta carta apostólica do papa Francisco bem como a programação diocesana dão-nos pistas para a base da programação no tocante à família. Por isso é necessário:

  1. Investir na catequese familiar;
  2. Acompanhar os pais;
  3. Ir ao encontro das famílias onde elas estão;
  4. Mostrar um rosto alegre de Igreja, de catequese, de celebração;
  5. Investir no despertar religioso.

CONCRETIZAÇÃO

Para concretizar um pouco esta mensagem tão rica, tendo em conta os desafios da programação diocesana, procuraremos, sobretudo:

  1. Promover uma Igreja em saída
  2. Promover a formação dos agentes de pastoral
  3. Impulsionar a implementação da catequese familiar
  4. Prestar atenção às novas realidades familiares
  5. Implementar nas paróquias um estilo de acolhimento pastoral

Partindo do lema Semeadores da esperança, promotores do encontro propomos uma caminhada em que sobressaem três palavras-chave: Esperança, Família, Encontro.

Por isso, para este Advento propomos um caminho muito simples:

Fazer um símbolo à semelhança do ano anterior: pequena bolsa em papel, em jeito de recipiente de sementes, que possa levar dentro uma mensagem – as “sementes” de Advento.

 

Concretizando, semana a semana:

1ª semana (27 de novembro a 3 de dezembro):

Frase forte: DEUS VEM SEMEAR A ESPERANÇA

Ter visíveis “sementes/mensagens” quer na catequese quer na missa. Pede-se criatividade e beleza.

Para os mais novos projetar na catequese a História da semente.

Para os mais crescidos pode partir-se do diálogo sobre a semente e ler o texto “sabeis em que tempo estamos: Já são horas de acordar, que a salvação está mais perto de nós do que na altura em que abraçámos a fé” (Rom 13, 11…)

Ler e explicar a história da semente.

Ter criatividade para expressão litúrgica.

Levar da Eucaristia a semente/mensagem da esperança e colocá-la na bolsa da esperança.

NB: A semente/mensagem deve ser levada da Eucaristia, colocada na bolsa referida e partilhada com vizinhos e amigos.

NB: O secretariado pode disponibilizar a apresentação (PPT) da história da semente.

Desafio: Acolhe a esperança que Deus vem trazer

 

2ª Semana (4 a 10 de dezembro):

Frase Forte: Somos semeadores de esperança

Levar “sementes/mensagens” para casa e para os vizinhos: ” Sairá um rebento do tronco de Jessé, crescerá um rebento das suas raízes” (Isaías 11,1…).

Cada um leva para casa algumas “sementes/mensagens” numa ou mais bolsas: “Somos semeadores da esperança“. Se forem vários, partilha com o vizinho e fica no exterior da porta.

Ter criatividade para expressão litúrgica. Como exemplo, propomos que as crianças tragam algumas sementes (aqui sementes a sério) para a Eucaristia e as coloquem num lugar visível.

O grupo pode também ter o seu vaso onde cada um semeia a sua semente.

Expressão na Eucaristia…

Desafio: Semeia a esperança

Nesta semana propomos uma catequese comum sobre alguns encontros significativos de Jesus: Maria, Isabel, João Batista.

O secretariado propõe a catequese que deve ser adaptada conforme o grupo e a idade. Pode haver catequese comum para vários grupos.

 

3ª semana (11 a 17 de dezembro):

Frase forte da semana: Somos portadores da alegria

“Alegre-se o deserto e o descampado, rejubile e floresça a planície árida, cubra-se de flores como o narciso, exulte de alegria e com brados joviais” (Isaías 35,1…)

Em catequese cada criança faz uma flor, um texto, algo que expresse a alegria. Partilhará com vizinho, amigo, etc., esse texto ou desenho – mensagem.

Desafio: Anuncia a alegria

Natal: Colocar no presépio familiar algo que fale da alegria familiar: Foto, álbum, flor, etc. Que o presépio da Igreja tenha algo de cada grupo.

Cada paróquia verá como viver o Natal tendo e conta o lema e vivência propostos.

 

4ª semana (18 a 24 de dezembro):

Frase forte e desafio: Eu te encontrei… Vem Jesus!

 

NB: Como, na prática, na maioria das paróquias a catequese interrompe-se no fim de semana de 17/18 de Dezembro, e como a semana é vivida duma forma muito especial e com muitas festas e motivações sociais, propomos que somente se leve a semente/mensagem que coincide com a frase forte. Ver a melhor maneira da expressão litúrgica.

Nesta última semana, pode-se aproveitar a iniciativa: “Luz da Paz de Belém” que é dinamizada pelos escuteiros… Estudar a dinâmica e ter criatividade.

Alternativa:

Colocar no lugar do presépio ou noutro lugar possível da Igreja, uma árvore com vários troncos.

Colocar o lema geral do Advento no 1.º domingo.

Ir colocando no momento que melhor entenderem a palavra forte e o desafio de cada semana. Essa árvore pode ser ajuda para fazer o presépio.

 

Para mais informações e/ou esclarecimentos: catequese@diocese-aveiro.pt

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

  • Facebook
  • Google+
  • Twitter
  • YouTube