Pages Navigation Menu

V Domingo da Páscoa – Ano A

Breve comentário

O texto deste Domingo é o início do primeiro dos discursos de despedida de Jesus, durante a última Ceia com os seus discípulos.

Nos discursos de despedida presentes no Antigo Testamentoo e na literatura intertestamentária há alguns traços característicos. O que está para morrer despede-se dos seus familiares ou de todo o povo, recorda-lhes a conduta que devem ter (habitualmente serem fiéis à Lei), algumas vezes confiando-lhes uma missão particular. Há dois textos bíblicos que estão por detrás deste discurso de Jesus: todo o livro do Deuteronómio que mais não é que o discurso de adeus pronunciado por Moisés antes da sua morte, e o salmo 42-43, que fala de perturbação e afastamento, de desejo de permanecer em comunhão com Deus.

Tomando este modelo literário, João pode falar do futuro. Depois da ressurreição de Jesus todos aqueles que crêem nele poderão entrar em intimidade com o Pai e continuar a sua missão no mundo. Por isso, o discurso de «adeus» torna-se num discurso de «até já».

Judas tinha acabado de sair. Os discípulos estão tristes, assustados pela partida iminente do Mestre. Jesus sabe que esta situação constitui um perigo para a sua fé. Por isso, a exortação: «Não se perturbe o vosso coração. Credes em Deus; crede também em mim». A fé em Deus é a mesma fé depositada em Jesus porque o Pai se revela no seu Filho. Neste ponto, Jesus garante aos discípulos que essa confiança está firmemente estabelecida: «Na minha casa de Pai há muitas moradas». Existe uma casa de família grande, para onde Jesus vai à nossa frente. Para ele, na verdade, morrer não é cair em um abismo sem fundo, mas «passar deste mundo para o Pai» (Jo 13,1). Por isso, promete aos seus um lugar cuidadosamente preparado para cada um, na perfeita comunhão com o Pai e com Ele. «Voltarei e vos levarei para junto de mim».

No entanto, para viver em comunhão com o Pai é necessária uma relação com Jesus. Os discípulos devem, eles mesmos, começar uma viagem. O caminho, contudo, é novamente o próprio Jesus. Ele tinha dito: «Eu sou a porta» (Jo 10,7.9). Agora apresenta-se como o Caminho, a Verdade e a Vida.

Tal como é «a porta», Jesus é o único caminho para o Pai: «Ninguém vai ao Pai senão por mim». É a única maneira para o Pai, porque é a única verdade, a única vida.

A «verdade» significa revelação. Jesus não é o único que revela Deus como Pai, mas em tudo ? diz ele ? em tudo que faz, é a revelação de Deus. Não é uma revelação parcial de Deus, mas a revelação completa, total e definitiva do Pai porque Jesus é o filho único e, em tudo o que diz e faz, revela-se como o Filho num perfeito relacionamento de amor com o Pai.

Ele é a «vida», isto é, através da união com Jesus, o Filho, temos a união com Deus, o Pai, e depois a vida eterna, que é a própria vida do Pai. Como Jesus é o Filho único gerado de Deus, só Ele é a porta e o caminho para o Pai, em que o homem encontra a auto-realização e definitiva felicidade perfeita.

O equívoco típico do evangelho de S. João surge na pergunta de Filipe: «Senhor, mostra-nos o Pai, e isso nos basta!». A resposta de Jesus é clara: «Há tanto tempo que estou convosco, e não me conhecestes, Filipe? Quem me viu, viu o Pai». O Pai e o Filho estão mutuamente ligados por uma união perfeita. Isso significa que, quando Jesus fala, fala o Pai, quando Jesus faz um gesto, é o Pai quem faz. Essas obras são os milagres de Jesus, as suas acções, toda a sua existência, que manifestam a sua relação filial com o Pai e o amor do Pai por meio dele que salva os homens. Por isso, quem olhar com fé para o Filho, vê nele e através dele, o Pai. A consequência é que aqueles que crêem em Jesus vão fazer o que Jesus fez, isto é, continuar a amar como Jesus amou e agir como Jesus agiu. Com efeito, a existência e as actividades daqueles que pela fé estão unidos a Cristo continuam a revelar o Pai e levar os homens a Ele. De facto, Jesus acrescenta que os discípulos farão obras «maiores»: neles continuará, para sempre, a tarefa de Jesus de manifestar o amor do Pai.

Pe. Franclim Pacheco

Diocese de Aveiro

 

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

  • Facebook
  • Google+
  • Twitter
  • YouTube