Pages Navigation Menu

DEIXAI-OS CRESCER JUNTOS ATÉ À CEIFA

Diz Jesus

Georgino Rocha

Jesus quer mostrar à multidão os segredos do Reino que anda a anunciar. E aproveita para dar aos discípulos explicações complementares em ordem a consolidar a sua formação. As parábolas são um recurso pedagógico frequente entre os mestres dos judeus. Oferecem oportunidades únicas que Jesus sabiamente aproveita. O campo onde, juntos, crescem até à ceifa o trigo e o joio, a sementeira de um e de outro, a relação que se estabelece entre ambos, a reacção sensata e oportuna dos servos contrariada pela atitude paciente do dono constituem elementos preciosos que dão rosto à mensagem a transmitir. E pelo rosto se vai ao coração dos segredos de Deus.

O final das parábolas é, normalmente, surpreendente. O desfecho é provocante. A novidade aparece interpelante. A narração vai deixando elementos que despertam os ouvintes para o inesperado e provocador. E surge a pergunta desestabilizadora: O Deus em quem acreditamos é realmente o Deus de Jesus, o verdadeiro “Abbá”, como Lhe chamava? Aquele que manifesta traços de pai ingénuo como no caso do filho pródigo, de proprietário injusto que paga por igual a trabalhadores com horários diferenciados, de pastor com critérios tão estranhos que abandona noventa e nove ovelhas para ir em busca da que se perdeu?

A compreensão das parábolas exige a conversão do coração, sede da sabedoria que vem do Espírito e se manifesta na sintonia de atitudes com as de Jesus de Nazaré. Talvez, por isso, haja muita gente que ouve e não entende ou procura “dar-lhe a volta” para não alterar nada na sua vida e ficar de consciência tranquila. Não estaremos nós também nesta hipótese?

O trigo bom surge na parábola para realçar o papel do joio que simboliza o mal no mundo e as perturbações que desencadeia com o seu cortejo daninho e destruidor. O mal é uma realidade tremenda que perpassa em toda a humanidade. Constitui o maior acicate para a reflexão inquieta do espírito humano. Reveste muitas formas, algumas muito refinadas, e belisca a liberdade de quem busca sinceramente a verdade.

Jesus constata o facto e na parábola introduz o tema dizendo apenas: Um inimigo, enquanto todos dormiam, veio de noite, semeou o joio no campo e foi-se embora. Resumo feliz com os ingredientes principais que nos ajudam a ter uma primeira resposta: O joio/mal é inimigo do homem; a sementeira faz-se de noite enquanto a sonolência adormece os sentidos e sobretudo a lucidez responsável; o campo proporciona-lhe o húmus indispensável ao crescimento, tal como ao trigo; o ir-se embora não significa ausência, mas ocultamento, pois continua muito activo no joio daninho que pretende asfixiar o bom trigo, a seara farta que se deseja para bem de todos e de cada um, que se pressente no pão da família, no dom levado ao altar para ser eucaristia do Senhor.

O joio anda por todo o lado; também no teu coração. E Deus não te arranca o coração, mas perdoa sempre para que possas arrepender-te e tentar reorientar a tua vida. Confia em ti e espera que cresças e amadureças, que abras os olhos e descubras o que não queres ver: a trave que te cega, enquanto vês bem o cisco que limita o olhar do teu vizinho.

O joio anda por todo o lado; também na família e na Igreja, no mundo e  na sociedade, na política e na cultura. Deus não intervém directamente, não inutiliza a liberdade humana, nem a responsabilidade de quem tem funções especiais, seja na área da educação ou da comunicação social, seja na rede virtual ou nos cartazes publicitários.

Crescem juntos até à ceifa. O mal não tem a última palavra. Esta será dada na avaliação final, com a sentença de eliminação radical. “Apanhai primeiro o joio e atai-o em molhos para queimar”, diz o dono do campo, o Senhor da seara. Só ele faz o julgamento definitivo. O trigo bom será recolhido no celeiro de Deus, onde são guardadas as provisões para a sua família. Então ecoará por toda a parte a alegre notícia: “Felizes os que morrem no Senhor, pois as suas obras os acompanham”.

Entretanto, há que combater o mal com o bem e anunciar o valor dos pequenos passos. A agressividade multiplica a violência. E os novos ditadores espreitam constantemente. Os discípulos missionários têm de aprender a arte divina da não-violência activa, o domínio de si e não a cobardia, o diálogo e não a confrontação, a objecção de consciência, a resistência civil, a tolerância ética. Não te deixes vencer pelo mal, vence o mal com o bem porque Deus é assim. Diz o livro da Sabedoria na primeira leitura de hoje: “Agindo deste modo ensinastes ao vosso povo que o justo deve ser humano e aos vossos filhos destes a esperança feliz de que, após o pecado, dais lugar ao arrependimento.”

 

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

  • Facebook
  • Google+
  • Twitter
  • YouTube