Pages Navigation Menu

DAR O PRIMEIRO PASSO E PERDOAR


Georgino Rocha

A viagem do Papa Francisco à Colômbia que termina, hoje, tem como lema: “ Demos o primeiro passo”, lema em grande consonância com a mensagem do Evangelho proclamado na liturgia. A sintonia provém de ambas terem como “pano de fundo” tensões e conflitos que ferem a relação básica na convivência dos cidadãos e no seio da comunidade eclesial. Na Colômbia, uma guerra sem quartel dizimou milhares e milhares de pessoas, fez vítimas sem conta, arruinou laços familiares, queimou bens de primeira necessidade, ia destruindo a “alma” da nação que, a custo, se vem a erguer e a afirmar. E finalmente pode ver assinados os acordos de paz.

Na comunida cristã, a guerrilha tem outros matizes, mas regista sempre a negação da união comum em aspectos fundamentais e, consequentemente, da comunhão que nos irmana, e reflecte, ainda que de forma limitada, a verdade de Deus transmitida por Jesus Cristo. São Paulo apresenta listas de atitudes que ferem a dignidade humana e desvirtuam a beleza do Evangelho. Hoje, destaca o adultério, a morte por assassínio, o furto e a cobiça. E recomenda que seja apenas o amor a única dívida de uns para com os outros. Nós podíamos acrescrentar a corrupção, a ganância, a exploração de migrantes e de trabalhdores, a violência física e mental e muitos mais e afirmar que sem honestidade comprovada e confiança garantida nem a humanidade brilha nem a comunidade cristã se afirma.

Na sociedade há turbulência e crispação a mais: barulhenta e em surdina, no espaço familiar e nas antenas dos meios de comunicação, em tempos de propaganda eleitoral e de gestão diária dos assuntos públicos. Exemplos típicos surgem no desporto violento, nos comportamentos de certos condutores na estrada, na publicidade agressiva, no controle dos centros de influência e nas tentativas de imposição do pensamento único (gender), em mensagens xenófobas e racistas que intimidam e lançam pânico. A sanidade ética das consciências precisa de uma desintoxicação mental que permita refazer relações “feridas”, reganhar a confiança e criar o respeito para com as diferenças sempre enriquecedoras, desde que convirjam na harmonia do conjunto social, no bem da comunidade eclesial.

A Igreja, qual sentinela vigilante como Jeremias de que fala a primeira leiruea, quer oferecer a sua ajuda e apresenta a recomendação de Jesus narrada por Mateus (18, 15-20)  em três afirmações de acção sanadora. Tendo como seiva revigorante o amor, surge o perdão dado e recebido como meio de refazer a relação quebrada. O ponto de partida para o processo do perdão, é a liberdade de quem deseja alcançar o bem maior.

Peregrino deste bem, o ofendido parte para a missão a realizar. Pede a bênção de Deus, escolhe o melhor momento, pensa no que será oportuno dizer e vai ter com quem lhe fez a ofensa. Acolhe a reacção e entra em diálogo. Se chegarem a acordo, manifestam a presença de Jesus Cristo, que, de modo discreto e estimulante, acompanha os esforços de reconciliação. Este primeiro passo, abre horizontes novos a tantas encruzilhadas atadas por nós que parecem cegos. E pode visualizar-se em ver no outro um irmão, persistir no diálogo, aguardar a resposta, cultivar a liberdade na relação, amar sempre a pessoa, ainda que dominada pelo ciúme e ressentimento.

“O ambiente de crispação que, às vezes, domina as relações sociais deve-se à nossa incapacidade de reconhecer a dignidade do outro e a nossa relação fraterna com ele”, afirma Serna Cruz, na revista Homilética2017/5, p. 553, que acrescenta: “ Queiramos ou não, somos irmãos e só a partir desta identidade comum, podemos ajudar-nos”.

Em caso de recusa da oferta de perdão, o ofendido não desarma, pois o amor é inventivo. Discerne o que lhe parece mais acertado, escolhe pessoas experientes na mediação e retoma o caminho. Sabe o alcance da intervenção das testemunhas, pois a praxe judaica prescreve a sua presença para a questão ficar dirimida. Isto é, alcança dimensão pública. Ousa e, se bem sucedido, o irmão ofensor é reintegrado na comunidade e a alegria de todos torna-se exuberante. Quanta sabedoria, própria de quem aprecia os dons do Espírito Santo, está presente no processo curativo de feridas e de recuperação dos laços de comunhão.

Há um outro passo, o recurso à assembleia eclesial e aos seus responsáveis, para que, juntos, possam pedir ao Senhor a luz necessária para tomar a decisão correcta. Esgotados todos os meios, a comunidade vê-se forçada a reconhecer a obstinação do “pecador” que persistentemente se mantém afastado. Mas esta não desiste. Reconhece o facto e continua a amar quem o provoca; por isso, o recomenda ao Senhor na sua oração, “espreita” uma oportunidade para reatar o diálogo e aguarda a hora feliz do reencontro.

Que vai fazer à Colômbia, santo Padre?”, pergunta o jornalista na altura em que o Papa Francisco anunciou a viagem. “Vou rezar com os meus irmãos para que a paz seja reforçada com a reconciliação vivida”. A força da oração é âncora firme da fé da Igreja reafirmada com o seu testemunho. Obrigado, santo Padre!

Que delicadeza reveste cada passo do processo de reconciliação confiado a cada pessoa que ama o bem do outro. Faz parte da nossa humanidade e visa recuperar a dignidade “beliscada”. Faz parte dos membros da comunidade cristã fiéis aos ensinamentos de Jesus e reconhecidos pela fé que reforça os laços comuns e ilumina o seu “papel” reconciliador. A função da autoridade tem alicerces noutras passagens do Evangelho. Agora é a nossa vez. Decide-te e demos o primeiro passo.

 

 

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

  • Facebook
  • Google+
  • Twitter
  • YouTube