Pages Navigation Menu

XXIV Domingo do Tempo Comum – Ano A

Breve comentário

O texto deste domingo faz ainda parte do discurso eclesial (capítulo 18 de Mateus) em que são indicados alguns princípios fundamentais apara a vivência da nova comunidade. Os irmãos que compõem a comunidade cristã são responsáveis ??uns pelos outros, com uma atenção privilegiada aos que são mais fracos na fé. Expressam tal responsabilidade tanto na correcção e reconciliação fraterna como na oração comunitária (ver Evangelho do domingo passado). E vivem-na de uma forma particular quando exercem o perdão recíproco.

Pedro já tinha percebido que era necessário perdoar. Mas entende que essa obrigação tem um limite. Na prática, Pedro pergunta: devo mesmo perdoar sempre ao meu irmão (membro da comunidade cristã)? O número sete indica a plenitude, a totalidade. Jesus, respondendo, esclarece: «Ainda muito mais do que sempre», referindo-se ao estilo de vingança tribal representado por Lamec que se vangloriava de se vingar «setenta vezes sete» (Gn 4,23-24).

A parábola contada por Jesus é construída à volta da imagem da dívida e dos devedores que exprime a relação primeiro entre rei/senhor e o seu funcionário e, depois, entre este e um companheiro. O acento da história está no contraste entre o modo de agir do rei e o do seu servo perdoado. Tal contraste é salientado pela enorme desproporção entre a dívida do primeiro para com o seu senhor e a dívida que o companheiro tinha: 10.000 talentos para cem denários. Apresentando estes números em salários mensais da época: 2 400 000 salários mensais para 2,5 meses de salário, temos um contraste enorme.

O primeiro servo recebe um perdão inesperado que, de facto, é a única saída para uma situação impossível de resolver doutra forma. Por isso o seu modo de agir para com o companheiro torna-se desapiedado, incompreensível para quem acabou de ser perdoado. É precisamente aqui que assenta o novo encontro entre o servo e o seu senhor: «Não devias também tu ter compaixão do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?».

Deus é sempre apresentado como o modelo: na perfeição, na compaixão, no perdão. Em Jesus, nas suas palavras e gestos a favor dos pecadores revela-se de modo definitivo o perdão esperado para os tempos messiânicos. Ao anunciar o perdão gratuito de Deus, Mateus recomenda à sua comunidade o perdão fraterno. Este perdão recebido de Deus de modo gratuito e inesperado é o modelo do perdão que deve caracterizar as relações na comunidade cristã.

Mas o texto termina, chamando a atenção para o juízo último que será de condenação para quem não realizou a misericórdia na forma de perdão fraterno: «Assim também o meu Pai celeste fará a cada um de vós se não perdoardes de coração ao vosso irmão». O ensino de Jesus já tinha sido claro: «se perdoardes aos homens as suas ofensas, também o vosso Pai celeste vos perdoará; se, porém, não perdoardes…» (Mt 6,14-15). Numa comunidade onde há pequenos e grandes, bons e maus, pecadores e fiéis, irmãos em crise e extraviados, o estatuto fundamental é o do amor que se exprime em atitudes de reconciliação e de perdão.

Pe. Franclim Pacheco

Diocese de Aveiro

 

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

  • Facebook
  • Google+
  • Twitter
  • YouTube