Pages Navigation Menu

XXIV Domingo do Tempo Comum – Ano B

Christ Pantocrator – Mosaïque de la Déisis – Sainte-Sophie (Istambul, Turquie)

Breve comentário

A «confissão» de Pedro (8,27-30) marca a divisão do evangelho de Marcos em duas partes. De facto, nota-se que, até a certo ponto do Evangelho, Marcos insiste na compreensão do «reino», e daí para diante na adesão ao «reino».

Na primeira parte do evangelho de Marcos, Jesus lamenta-se que os homens têm o coração endurecido, que os discípulos não sabem compreender as parábolas mais simples, como a do semeador, nem o significado dos milagres. Jesus pede a «inteligência» do «reino»: «Quem tem ouvidos para compreender, compreenda». A sua pregação, especialmente através das parábolas, tem precisamente como finalidade suscitar esta «compreensão», despertar as mentes para que se esforcem por abrir-se ao significado da mensagem.

Durante a primeira parte, Jesus nunca fala de si, não diz quem é, deixando que cada um o vá descobrindo mais através dos seus gestos do que das suas palavras. Agora, porém, começa algo diferente, desencadeado pela pergunta: «Quem dizem os homens que Eu sou?».

Os discípulos referem a Jesus o que se dizia acerca dele e que já lemos atrás (6,14-15). Ele é identificado com personagens do passado. Mas Pedro vai apontá-lo como alguém do presente e lançado para o futuro: «Tu és o Cristo!».

A resposta é correcta mas corre o risco de ser mal interpretada no sentido dum messianismo real, glorioso, triunfalista, tal como Pedro pensava. O problema está na concepção que os contemporâneos de Jesus tinham acerca do Cristo ou Messias. Os rabinos já ensinavam há séculos que, quando viesse o Messias, descendente de David, a Palestina seria transformada, o Messias forte e glorioso iria derrotar os inimigos do povo e seria restaurada a realeza de Israel. É este esquema que os discípulos têm na sua mente quando vão discutindo entre si qual deles será o maior, o mais importante, quando for inaugurado o reino de Deus.

Jesus «começou a ensinar», a mostrar qual era o seu futuro e a sua missão. E vai fazê-lo ainda mais duas vezes: são os três anúncios da paixão que encontramos igualmente nos evangelhos de Marcos e Lucas. O verbo grego deî, traduzido por «devia» (ou «era preciso que», «era necessário que») indica sempre que o que se diz faz parte do projecto de Deus: ir para Jerusalém, sofrer muito, da parte dos anciãos, dos sumos sacerdotes e escribas, ser morto e ressuscitar ao terceiro dia.

É este projecto de Deus que Pedro não consegue entender pois está ainda a pensar num esquema muito humano. Por isso, tenta convencer Jesus que ele está enganado, que não deve estar a ver bem as coisas, Deus não permitirá tal coisa, que esse não pode ser de forma  alguma o destino do Cristo-Messias. Com esta maneira de pensar, Pedro torna-se Satanás, um «adversário» (é este o significado de Satanás), ao querer indicar a Jesus um caminho a seguir diferente do projecto de Deus. Por isso, Jesus não o manda apenas afastar, mas ir atrás dele, bem traduzido em latim pela expressão «Vade retro». É Jesus quem vai à frente a indicar o caminho e não Pedro que está a deixar-se levar por raciocínios humanos, tornando-se um obstáculo para o Mestre e para os outros discípulos.

A partir de agora, a insistência de Jesus já não está em compreender o mistério do «reino», em abrir os olhos e os ouvidos, mas em fazer algo pelo «reino», em dar-se a si mesmo, a própria vida, empenhando-se pessoalmente. Só quem perde a própria vida é que a salvará; é preciso deixar casa, parentes e campos pelo «evangelho» e pela vida eterna; mesmo os membros corporais devem ser sacrificados pelo «reino»; é igualmente nesta segunda parte do evangelho que aparece com insistência o tema de «entrar» no reino, ausente nos primeiros capítulos do evangelho.

O evangelho de Marcos apresenta-se com uma manifestação progressiva da pessoa de Jesus, a partir de agora mais clarificada, partindo da afirmação intermédia: «Tu és o Cristo» para chegar no final à declaração mais completa de Jesus como Filho de Deus.

 

P. Franclim Pacheco

Diocese de Aveiro

 

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

  • Facebook
  • Google+
  • Twitter
  • YouTube