Pages Navigation Menu

XXVII Domingo do Tempo Comum – Ano B

Breve comentário

Os mestres religiosos do tempo de Jesus e os fariseus em geral não punham questões acerca da liceidade do divórcio, até porque este estava previsto na Lei de Moisés, mas acerca dos motivos do divórcio. Na prática, apesar de haver opiniões opostas, como era o caso dos mestres Shammay e Hillel, prevalecia a opinião deste em que qualquer motivo servia para que um homem pudesse rejeitar a sua mulher.

Um aspecto que está subjacente é a superioridade do homem sobre a mulher que funcionava quase como propriedade do marido. Por conseguinte, se uma mulher era rejeitada pelo marido (e no povo israelita só o marido podia repudiar a mulher) não podia voltar para a casa do seu pai, porque este já não tinha autoridade sobre a filha pois tinha recebido o mohar (espécie de dote) dado pelo marido e, portanto, não a podia receber. Também não podia unir-se a outro homem porque «pertencia» ao primeiro. A carta de repúdio, ordenada por Moisés (Dt 24,1) vem, assim, procurar remediar uma situação, libertando a mulher do elo que a unia ao marido, no caso de ser expulsa de casa. Realmente, Esta lei surge, por causa da «dureza de coração» dos homens.

Solicitado por alguns fariseus que procuram embaraçá-lo, Jesus não hesita em declarar-se até contra Moisés, considerado pelos hebreus como a fonte das suas normas de vida. Moisés admitiu que o marido pode repudiar a mulher; mas há uma autoridade muito acima de Moisés, e é essa que se deve respeitar.

Jesus não vem dar leis sobre o assunto, mas tira consequências do plano original de Deus. Este projecto parte da dignidade profunda e da igualdade de direitos e deveres do homem e da mulher. Deus criou o Homem, isto é, a humanidade, macho e fêmea. A união do homem e da mulher representa, assim, uma plenitude, uma «coisa só», em que não existe proprietário e propriedade, mas um enriquecimento mútuo. Nesta perspectiva, Jesus chama a atenção para o facto de poder haver «adultério» quer por parte do homem quer por parte da mulher, no caso de qualquer deles deixar o outro.

As palavras «E se ela repudiar o seu marido e casar com outro, comete adultério» são nitidamente uma adaptação do texto evangélico à realidade do mundo greco-romano em que também a mulher podia pedir o divórcio. Não devemos esquecer que Marcos está a escrever o seu evangelho em Roma, para os cristãos dessa cidade.

A segunda parte do texto aparentemente nada tem a ver com a anterior. Uma vez mais se chama a atenção para o acolhimento a dar às crianças, àqueles que não têm direitos, aos desprotegidos, a todos os «pequenos».

Mas a lição mais profunda é o apelo a receber o Reino como uma criança. Isto significa imitar a criança na sua confiança para com os pais, intuindo o seu amor e solicitude, porque quanto eles lhe permitem ou lhe proíbem é só para seu bem. O Reino é uma iniciativa, um projecto de Deus que deve ser recebido com toda a confiança e simplicidade, renunciando, deste modo, a analisar e a discutir o plano de Deus com as nossas convicções, com a «dureza do nosso coração»

Pe. Franclim Pacheco

Diocese de Aveiro

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

  • Facebook
  • Google+
  • Twitter
  • YouTube