Pages Navigation Menu

A alegria de viver feliz com Jesus

Georgino Rocha

Jesus, animado pela novidade de que é portador, faz o discurso do Reino, o conhecido sermão da montanha (Mt 5, 1-12). Proclama o código da felicidade, a experimentar já na história e a viver no futuro definitivo, a eternidade nos braços da família de Deus. E deixa-nos o convite a mantermos bem seguro no coração a chave de entrada. Que impacto terá provocado nos discípulos e demais ouvintes! Certamente como nos provoca a nós, se quisermos assumí-las como regra de vida.

O Papa Francisco publicou a 19 de Março de 2018 uma exortação apostólica intitulada “Alegrai-vos e Exultai”, título tirado da última bem-aventurança. Quer apresentar aos cristãos a nova visão de Jesus sobre a felicidade e consegue-o num estilo muito actual e apelativo. Vamos transcrever alguns pontos.

“As bem-aventuranças são como que o bilhete de identidade do cristão. Assim, se um de nós se questionar sobre «como fazer para chegar a ser um bom cristão», a resposta é simples: é necessário fazer – cada qual a seu modo – aquilo que Jesus disse no sermão das bem-aventuranças. Nelas está delineado o rosto do Mestre, que somos chamados a deixar transparecer no dia-a-dia da nossa vida”.

  1. «Felizes os pobres em espírito, porque deles é o Reino do Céu»

O Evangelho convida-nos a reconhecer a verdade do nosso coração, para ver onde colocamos a segurança da nossa vida. Normalmente, o rico sente-se seguro com as suas riquezas e, quando estas estão em risco, pensa que se desmorona todo o sentido da sua vida na terra. O próprio Jesus no-lo disse na parábola do rico insensato, falando daquele homem seguro de si, que – como um insensato – não pensava que poderia morrer naquele mesmo dia (cf. Lc 12, 16-21). Ser pobre no coração: isto é santidade

  1. «Felizes os mansos, porque possuirão a terra»

Jesus diz-nos: “Aprendei de Mim, porque sou manso e humilde de coração e encontrareis descanso para o vosso espírito” (Mt 11, 29). Se vivemos tensos, arrogantes diante dos outros, acabamos cansados e exaustos. Mas, quando olhamos os seus limites e defeitos com ternura e mansidão, sem nos sentirmos superiores, podemos dar-lhes uma mão e evitamos de gastar energias em lamentações inúteis. Para Santa Teresa de Lisieux, “a caridade perfeita consiste em suportar os defeitos dos outros, em não se escandalizar com as suas fraquezas”. Reagir com humilde mansidão: isto é santidade.

  1. «Felizes os que choram, porque serão consolados»

A pessoa que, vendo as coisas como realmente estão, se deixa trespassar pela aflição e chora no seu coração, é capaz de alcançar as profundezas da vida e ser autenticamente feliz. Esta pessoa é consolada, mas com a consolação de Jesus e não com a do mundo. Assim pode ter a coragem de compartilhar o sofrimento alheio, e deixa de fugir das situações dolorosas. Desta forma, descobre que a vida tem sentido socorrendo o outro na sua aflição, compreendendo a angústia alheia, aliviando os outros. Esta pessoa sente que o outro é carne da sua carne, não teme aproximar-se até tocar a sua ferida, compadece-se até sentir que as distâncias são superadas. Assim, é possível acolher aquela exortação de São Paulo: “Chorai com os que choram” (Rm 12, 15). Saber chorar com os outros: isto é santidade.

  1. «Felizes os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados»

“Fome e sede” são experiências muito intensas, porque correspondem a necessidades primárias e têm a ver com o instinto de sobrevivência. Há pessoas que, com esta mesma intensidade, aspiram pela justiça e buscam-na com um desejo assim forte. Jesus diz que elas serão saciadas, porque a justiça, mais cedo ou mais tarde, chega e nós podemos colaborar para o tornar possível, embora nem sempre vejamos os resultados deste compromisso. Buscar a justiça com fome e sede: isto é santidade.

  1. «Felizes os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia»

A misericórdia tem dois aspetos: é dar, ajudar, servir os outros, mas também perdoar, compreender. Mateus resume-o numa regra de ouro: «o que quiserdes que vos façam os homens, fazei-o também a eles» (7, 12). O Catecismo lembra-nos que esta lei se deve aplicar «a todos os casos»,[71] especialmente quando alguém “se vê confrontado com situações que tornam o juízo moral menos seguro e a decisão difícil”. Olhar e agir com misericórdia: isto é santidade

  1. «Felizes os puros de coração, porque verão a Deus»

Esta bem-aventurança diz respeito a quem tem um coração simples, puro, sem imundície, pois um coração que sabe amar não deixa entrar na sua vida algo que atente contra esse amor, algo que o enfraqueça ou coloque em risco. Na Bíblia, o coração significa as nossas verdadeiras intenções, o que realmente buscamos e desejamos, para além do que aparentamos: “O homem vê as aparências, mas o Senhor olha o coração” (1 Sam 16, 7). Ele procura falar-nos ao coração (cf. Os 2, 16) e nele deseja gravar a sua Lei (cf. Jer 31, 33). Em última análise, quer dar-nos um coração novo (cf. Ez 36, 26). Manter o coração limpo de tudo o que mancha o amor: isto é santidade.

  1. «Felizes os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus»

Não é fácil construir esta paz evangélica que não exclui ninguém; antes, integra mesmo aqueles que são um pouco estranhos, as pessoas difíceis e complicadas, os que reclamam atenção, aqueles que são diferentes, aqueles que são muito fustigados pela vida, aqueles que cultivam outros interesses. É difícil, requerendo uma grande abertura da mente e do coração, uma vez que não se trata de “um consenso de escritório ou uma paz efémera para uma minoria feliz” nem de “um projeto de poucos para poucos”. Também não pretende ignorar ou dissimular os conflitos, mas “aceitar suportar o conflito, resolvê-lo e transformá-lo no elo de ligação de um novo processo”. Trata-se de ser artesãos da paz, porque construir a paz é uma arte que requer serenidade, criatividade, sensibilidade e destreza. Semear a paz ao nosso redor: isto é santidade.

  1. «Felizes os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o Reino do Céu»

Para viver o Evangelho, não podemos esperar que tudo à nossa volta seja favorável, porque muitas vezes as ambições de poder e os interesses mundanos jogam contra nós. São João Paulo II declarava “alienada a sociedade que, nas suas formas de organização social, de produção e de consumo, torna mais difícil a realização [do] dom [de si mesmo] e a constituição [da] solidariedade inter-humana”.[78] Numa tal sociedade alienada, enredada numa trama política, mediática, económica, cultural e mesmo religiosa, que estorva o autêntico desenvolvimento humano e social, torna-se difícil viver as bem-aventuranças, podendo até a sua vivência ser mal vista, suspeita, ridicularizada. Abraçar diariamente o caminho do Evangelho mesmo que nos acarrete problemas: isto é santidade.

  1. Felizes de vós quando fordes insultados e perseguidos… por causa de MIM

É a grande regra de comportamento que retoma a felicidade dos misericordiosos (Mt 25, 31-46).

Quando encontro uma pessoa a dormir ao relento, numa noite fria, posso sentir que este vulto seja um imprevisto que me detém, um delinquente ocioso, um obstáculo no meu caminho, um aguilhão molesto para a minha consciência, um problema que os políticos devem resolver e talvez até um monte de lixo que suja o espaço público. Ou então posso reagir a partir da fé e da caridade e reconhecer nele um ser humano com a mesma dignidade que eu, uma criatura infinitamente amada pelo Pai, uma imagem de Deus, um irmão redimido por Jesus Cristo. Isto é ser cristão! Ou poder-se-á porventura entender a santidade prescindindo deste reconhecimento vivo da dignidade de todo o ser humano?

Para os cristãos, isto supõe uma saudável e permanente insatisfação. Embora dar alívio a uma única pessoa já justificasse todos os nossos esforços, para nós isso não é suficiente. Com clareza o afirmaram os Bispos do Canadá ao mostrar como nos ensinamentos bíblicos sobre o Jubileu, por exemplo, não se trata apenas de fazer algumas ações boas, mas de procurar uma mudança social: “para que fossem libertadas também as gerações futuras, o objetivo proposto era claramente o restabelecimento de sistemas sociais e económicos justos, a fim de que não pudesse haver mais exclusão”.

A Igreja celebra a festa de Todos os Santos: os estão na visão de Deus e os que o servem nas tribulações da vida terrena. Em qualquer situação e condição. É também a nossa festa. O nosso peregrinar no tempo está marcado pela certeza e pela esperança: Caminhamos para o Senhor, levando connosco os humanos, nossos irmãos. Alegremo-nos e exultemos!

 

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

  • Facebook
  • Google+
  • Twitter
  • YouTube