Pages Navigation Menu

A FESTA DE DEUS FAMÍLIA

SANTÍSSIMA TRINDADE

A FESTA DE DEUS FAMÍLIA

Georgino Rocha

Jesus, na ceia de despedida, fala abundantemente do Espírito Santo. Atribui-lhe funções de companhia amiga, mestre que faz memória do sucedido e ajuda à sua compreensão, conforto dos discípulos e testemunha qualificada, perante o mundo adverso, luz do coração que discerne a maldade do pecado e a bondade da graça, presentes nas situações de vida, guia seguro para a verdade plena. É sobretudo esta função que mais se destaca na festa da Santíssima Trindade. Jo 16, 12-15.

O pintor crente Roublev faz uma expressiva visualização desta realidade inabarcável pelas capacidades humanas: Um ícone de três pessoas que se entreolham e, no modo como se olham, fazem brilhar o amor de cada uma pelas outras. Traduz, assim, a relação que existe entre o Pai, o Filho e o Espírito. São um só na comunhão e três pessoas na pluralidade das funções que manifestam ao longo da história da salvação. Todas estão presentes no agir de cada uma que assume o protagonismo. É pelo seu agir em nosso benefício que temos acesso ao mistério insondável da sua existência. É pelo que Jesus promete aos discípulos que podemos sentir a “mão” segura do Espírito Santo a conduzir-nos para esta verdade admirável.

O Papa Francisco, na exortação apostólica pós-Sinodal sobre os Jovens, afirma: “Deus ama-te. Nunca duvides disto na tua vida, aconteça o que acontecer. Em toda e qualquer circunstância, és infinitamente amado. Talvez a experiência de paternidade que tiveste não seja a melhor: o teu pai terreno talvez se tenha mostrado distante e ausente ou, pelo contrário, dominador e possessivo; ou simplesmente não foi o pai que precisavas. Não sei! Mas o que posso dizer-te com certeza é que podes lançar-te, com segurança, nos braços do teu Pai divino, do Deus que te deu a vida e continua a dá-la a cada momento. Sustentar-te-á com firmeza e, ao mesmo tempo, sentirás que Ele respeita completamente a tua liberdade”.

Este modo de ser de Deus constitui a fonte original da família humana, quer na sua globalidade, quer na sua configuração por laços de sangue. Por isso, desta fonte “bebe” o calor e a profundidade da comunhão, o amor da doação, o respeito pela diversidade de funções, o dinamismo da fecundidade, o serviço à humanidade, a ternura na relação de reciprocidade, a fidelidade consumada na opção, a sinceridade na comunicação do que cada um é e faz como riqueza de todos. A família humana de sangue contém, em si mesma, ainda que de modo muito (analógico) parcelar, os traços emergentes desta matriz criadora. Conhecê-la, apreciar e viver os seus valores, testemunhar a sua força de modelo de vida plena é aspiração do coração e apelo da consciência que evidenciam a dignidade a que estamos chamados cada vez mais. É ela que oferece uma referência humana assertiva para as famílias de sangue “em desagregação” e a viver um amor de “baixa intensidade”.

O Espírito Santo conduz os discípulos/cristãos para a verdade plena, pois eles ainda não haviam compreendido o sentido da paixão gloriosa de Jesus, como expressão do amor de Deus Pai à humanidade. Paixão sofrida que continua, hoje, em todas as vítimas inocentes de verdugos impiedosos, designadamente no tráfico de seres humanos escravizados ou trucidados pela violência. Paixão feliz que brilha no amor de doação de tantos voluntários que deixam tudo e a tudo se arriscam para valer a quem está nas “periferias” do indispensável para viver.

O Espírito Santo percorre, com a comunidade cristã, os caminhos da história e vai ajudando-a a compreender o que acontece e a intervir, dentro do possível, para desvendar a presença e o sentido profundo do amor de Deus. A matriz do coração é naturalmente relação e alimenta sementes de comunhão. O individualismo e a soledade (tristeza amarga e solitária), bem como impulsos de ódio e violência, de destruição do outro e da natureza, constiturm a negação do que de melhor no seu humano enquanto templo da Santíssima Trindade.

O sinal da cruz recorda e testemunha a realidade maravilhosa de Deus trindade. Sempre que o fazemos, de modo consciente, atestamos que Ele marca toda a nossa existência, que o Seu amor circula em nossos corações por força do Espírito Santo que nos foi dado. A festa da Santíssima Trindade é a nossa festa de família, a festa da Igreja por excelência.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

  • Facebook
  • Google+
  • Twitter
  • YouTube