Pages Navigation Menu

E_casa #04

«Depois de ter sido baptizado,
Jesus viu o Espírito de Deus descer sobre Si»

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo
segundo São Mateus

Naquele tempo,
Jesus chegou da Galileia
e veio ter com João Baptista ao Jordão,
para ser baptizado por ele.
Mas João opunha-se, dizendo:
«Eu é que preciso de ser baptizado por Ti,
e Tu vens ter comigo?».
Jesus respondeu-lhe:
«Deixa por agora;
convém que assim cumpramos toda a justiça».
João deixou então que Ele Se aproximasse.
Logo que Jesus foi baptizado, saiu da água.
Então, abriram-se os céus
e Jesus viu o Espírito de Deus
descer como uma pomba e pousar sobre Ele.
E uma voz vinda do Céu dizia:
«Este é o meu Filho muito amado,
no qual pus toda a minha complacência».

Palavra da salvação.

ÉS O MEU FILHO MUITO AMADO

Batismo do Senhor. Hoje encerra-se o Tempo do Natal e começa o Tempo Comum. Não foi assim connosco? No dia do nosso batismo – especialmente se fomos batizados o mais próximo possível do nascimento, como aconselha a Igreja – concluiu-se o nosso “natal” e fomos lançados no “tempo comum” da vida, a caminho do Céu.

“Naquele tempo, Jesus chegou da Galileia e veio ter com João Batista ao Jordão”. À beira da água que Jesus vai abençoar com o seu batismo, encontram-se o Precursor e o Salvador, o Antigo e o Novo Testamentos, a promessa e a sua realização. À beira da pia batismal, renunciámos ao pecado e entrámos no Evangelho.

“Então abriram-se os céus e Jesus viu o Espírito de Deus descer como uma pomba e pousar sobre Ele.” Que mistério imenso se esconde na simplicidade do batismo! Vemos apenas um bebé e um pouco de água. Mas diz a Palavra que os céus se abrem e o Espírito desce sobre aquela criança.

“Este é o meu Filho muito amado”, disse o Pai sobre Jesus. E diz a cada bebé que é batizado, embora só ouçamos chorar. Mas não foi o choro a primeira linguagem da Palavra que Se fez Carne, no Presépio? Misteriosamente, todos nós – bebés ou adultos – escutámos esta declaração de amor do Pai no dia santíssimo do nosso batismo, no mais profundo do ser. E durante o resto da vida, iremos procurar trazê-la à superfície da alma, para que ela nos conduza a Casa.

Como festejamos os aniversários de batismo de cada membro da família? Acendemos a vela batismal, cantamos, fazemos um bolo?
Que eu nunca me esqueça que me amas, ó Pai, e que o Céu inteiro está aberto sobre mim…

 

::: versão para impressão :::


 

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

  • Facebook
  • Google+
  • Twitter
  • YouTube