Pages Navigation Menu

VIA SACRA COM SANTA TERESA DOS ANDES

VIA SACRA COM SANTA TERESA DOS ANDES

 

 1. JESUS NO JARDIM DAS OLIVEIRAS

Disse-lhes, então: “A minha alma está numa tristeza de morte; ficai aqui e vigiai comigo”. E, adiantando-se um pouco mais, caiu com a face por terra, orando e dizendo: “Meu Pai, se é possível, afaste-se de mim este cálice. No entanto, não seja como Eu quero, mas como Tu queres” (Mt 26, 38-39).

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Jesus.

R. Que pela vossa santa Cruz remistes o mundo.

MEDITAÇÃO

Ao executar este bem, não agimos acaso conforme a Deus? Ao agir conforme a Deus, somos outro Deus; numa palavra, somos Ele. Para isto, é necessário suportar tudo, amar tudo como a expressão da vontade de Deus que nos quer santificar, já que Jesus Cristo nos disse que a vontade de Deus é que sejamos santos. E julgo que o melhor e o que mais convém à nossa miséria é só olhar o presente, viver – como diz Isabel – num eterno presente, isto é, que em cada hora tomemos a decisão de cumprir perfeitamente a vontade de Deus, de aceitar tudo o que nos envia, seja próspero ou adverso, proceda de nós mesmos ou das circunstâncias que nos rodeiam, ou de parte das criaturas (C 149).

Pai-nosso, Avé Maria, Glória ao Pai…

V. Pecamos, Senhor.

R. Tende compaixão de nós.


2. JESUS TRAÍDO POR JUDAS

O traidor tinha-lhes dado este sinal: “Aquele que eu beijar, é esse mesmo: prendei-o”. Aproximou-se imediatamente de Jesus e disse: “Salve, Mestre!”E beijou-o (Mt 26, 48-49).

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Jesus.

R. Que pela vossa santa Cruz remistes o mundo.

MEDITAÇÃO

A Paixão de Jesus Cristo é o que faz melhor à minha alma: aumenta em mim o amor ao ver quanto sofreu o meu Redentor; o amor ao sacrifício, ao esquecimento de mim mesma. Serve-me para ser menos orgulhosa. Faz-me crescer na confiança deste meu adorado Mestre, que sofreu tanto para me amar. A confiança é o que mais agrada a Jesus. Se confiamos no coração de um amigo que nos ama, como não confiar no coração de um Deus, onde reside a bondade infinita, da qual a bondade das criaturas é uma pálida sombra? Desconfiar do coração de um Deus que se fez homem, que morreu como malfeitor numa cruz, que se dá em alimento diariamente às nossas almas para se unir com as suas criaturas, não é um crime? (C 143).

Pai-nosso, Avé Maria, Glória ao Pai…

V. Pecamos, Senhor.

R. Tende compaixão de nós.


 3. JESUS É CONDENADO PELO SINÉDRIO

Os sumos sacerdotes e todo o Conselho procuravam um depoimento falso contra Jesus, a fim de o condenarem à morte (Mt 26, 59).

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Jesus.

R. Que pela vossa santa Cruz remistes o mundo.

MEDITAÇÃO

Quero ser humilde com Cristo crucificado. Humilhei-me por Ele. Embora não se possa dizer que são humilhações, pois sou um nada. Mais ainda, sou nada criminoso… Humilhemo-nos diante d’Ele. Peçamos-lhe com o coração que se manifeste às nossas almas infinitamente. Ele não nos desprezará, porque Deus ama as almas (D 24; C 96).

Pai-nosso, Avé Maria, Glória ao Pai…

V. Pecamos, Senhor.

R. Tende compaixão de nós.


4. JESUS É NEGADO POR PEDRO 

Pedro estava sentado no pátio. Uma criada aproximou-se dele e disse-lhe: “Tu também estavas com Jesus, o Galileu”. Mas ele negou diante de todos, dizendo: “Não sei o que dizes” (Mt 26, 69-70).

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Jesus.

R. Que pela vossa santa Cruz remistes o mundo.

MEDITAÇÃO

Tenhamos temor filial para não o ofender, assim como um filho teme desgostar o seu pai; não pelo castigo, mas porque sabe que o seu pai o ama e sofrerá. Lancemo-nos com as nossas faltas e pecados no abismo, no oceano de misericórdia. Jesus compadece-se das nossas misérias, conhece a fundo o nosso pobre coração; assim pois, não tema, que o temor seca o amor (C 143).

Pai-nosso, Avé Maria, Glória ao Pai…

V. Pecamos, Senhor.

R. Tende compaixão de nós.


5. JESUS É JULGADO POR PILATOS

E todo o povo respondeu: “Que o seu sangue caia sobre nós e sobre os nossos filhos!” (Mt 27, 25).

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Jesus.

R. Que pela vossa santa Cruz remistes o mundo.

MEDITAÇÃO

Não é um príncipe, não é um rei que te chama, mas Deus. O Rei dos reis chama-te para se unir contigo, para que imites as suas divinas perfeições. Vê bem que não se une com os anjos e, com as criaturas que o ofendem, vem chamá-las. Ele mesmo as procura, fala-lhes para as unir consigo. Em vez de sermos nós a procurá-lo – pois é o nosso supremo Bem –, Ele chama-nos para nos tirar do mundo, para nos pôr num lugar onde é amado, onde não é ofendido, onde estão aquelas pessoas pelas quais Cristo reza para nos livrar da tirania do demónio e para nos tornar suas esposas. Que bom é o nosso Deus? Como não chorar, como não morrer diante de tanto amor? (C 146).

Pai-nosso, Avé Maria, Glória ao Pai…

V. Pecamos, Senhor.

R. Tende compaixão de nós.


6. JESUS É FLAGELADO E COROADO DE ESPINHOS

Pilatos mandou levar Jesus e flagelá-lo. Depois, os soldados entrelaçaram uma coroa de espinhos, cravaram-lha na cabeça e cobriram-no com um manto de púrpura; e, aproximando-se dele, diziam-lhe: “Salve! Ó Rei dos judeus!” E davam-lhe bofetadas (Jo 19, 1-3).

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Jesus.

R. Que pela vossa santa Cruz remistes o mundo.

MEDITAÇÃO

Medita sobre a Paixão de Nosso Senhor. Põe-te na presença de Deus. Então imagina que o tens ali na tua alma e que estás muito perto d’Ele para receber o seu sangue. És o verdugo com os teus pecados. Olha como os seus olhares se fixam em ti para te dizer: “Como queres que te mostre mais o meu amor? Tantos favores te fiz e com isto me pagas, alma ingrata? Vem. Cobre-me com as tuas lágrimas, pede-me perdão e promete-me que nunca mais o farás. Consola-me ao menos tu que vais ser minha esposa”. Lança-te então a seus pés e promete-lhe em que lhe vais mostrar o teu amor naquele dia. Diz-lhe que já não o queres ofender; que te perdoe. Abraça-o para que o seu sangue divino te purifique. Depois pedir-lhe-ás que te ajude com a sua graça a cumprir o prometido. Diz-lhe que o queres acompanhar durante todo o dia (C 146).

Pai-nosso, Avé Maria, Glória ao Pai…

V. Pecamos, Senhor.

R. Tende compaixão de nós.


7. JESUS CARREGA COM A CRUZ

Jesus, levando a cruz às costas, saiu para o chamado Lugar da Caveira, que em hebraico se diz Gólgota, onde o crucificaram e com Ele outros dois, um de cada lado, ficando Jesus no meio (Jo 19, 17-18).

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Jesus.

R. Que pela vossa santa Cruz remistes o mundo.

MEDITAÇÃO

Nosso Senhor trata-a como forte, dando-lhe trabalhos e cruzes. Feliz de si que sobe o Calvário para ser crucificada com Jesus. É um sinal de predestinação que Deus Pai a queira fazer conforme ao seu Divino Filho. Queria que na oração pusesse muitas vezes os olhos da sua alma em Jesus Crucificado. Ali encontrará não só alívio na dor (embora uma alma generosa não deve procurar consolações), mas também aprenderá a sofrer em silêncio, sem murmurar nem interior nem exteriormente; a sofrer alegremente, tendo em conta que tudo é pouco com tal de salvar as almas que tem a seu cargo (C 143).

Pai-nosso, Avé Maria, Glória ao Pai…

V. Pecamos, Senhor.

R. Tende compaixão de nós.


8. JESUS É AJUDADO PELO CIRENEU

Quando o iam conduzindo, lançaram mão de um certo Simão de Cirene, que voltava do campo, e carregaram-no com a cruz, para a levar atrás de Jesus (Lc 23, 26).

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Jesus.

R. Que pela vossa santa Cruz remistes o mundo.

MEDITAÇÃO

Olhem Jesus aniquilado no presépio, na cruz, no sacrário. Dali nos diz quanto nos amou. Tomem a resolução de ser toda para todos, sacrificando-se pelos outros sem o manifestar. Renunciem às vossas comodidades pelos outros para lhes ganhar o coração e levá-los a Deus… Amo e no amor desejo viver toda a minha vida. Que importa mortificar a carne, fazê-la morrer, se desta morte nasce a vida da alma e a união com Deus?  (C 151. 96).

Pai-nosso, Avé Maria, Glória ao Pai…

V. Pecamos, Senhor.

R. Tende compaixão de nós.


9. JESUS ENCONTRA-SE COM AS MULHERES DE JERUSALÉM

Seguiam Jesus uma grande multidão de povo e umas mulheres que batiam no peito e se lamentavam por Ele. Jesus voltou-se para elas e disse-lhes: “Filhas de Jerusalém, não choreis por mim, chorai antes por vós mesmas e pelos vossos filhos” (Lc 24, 27-28).

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Jesus.

R. Que pela vossa santa Cruz remistes o mundo.

MEDITAÇÃO

Jesus é todo ternura, todo amor para as suas criaturas pecadoras. Por quê temer aproximar-se a Nosso Senhor, quando Ele mesmo disse que era o Bom Pastor, que dava a vida para recuperar a ovelha perdida? E disse que vinha procurar os pecadores. Assim pois, todos, embora sejamos pecadores, podemos aproximar-nos d’Ele… Ao contactar intimamente com as almas, pude notar que em todas há chagas profundamente dolorosas; que todas, embora muitas vezes aparentemente são felizes, encerram no seu coração um mundo de infelicidades… Procurem conhecer a Jesus, o amigo íntimo das nossas almas. N’Ele encontrarão a ternura de uma mãe em grau infinito; consolação, se tiverdes que sofrer; força para cumprir com os vossos deveres. Olhem Jesus aniquilado no presépio, na cruz, no sacrário. Dali nos diz quanto nos amou (C 150. 151).

Pai-nosso, Avé Maria, Glória ao Pai…

V. Pecamos, Senhor.

R. Tende compaixão de nós.


10. JESUS É CRUCIFICADO

Eram umas nove horas da manhã, quando o crucificaram. Na inscrição com a condenação, lia-se: “O rei dos judeus”. Com Ele crucificaram dois ladrões, um à sua direita e o outro à sua esquerda. Os que passavam injuriavam-no e, abanando a cabeça, diziam: “Olha o que destrói o templo e o reconstrói em três dias! Salva-te a ti mesmo, descendo da cruz!” (Mc 15, 25-27. 29-30).

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Jesus.

R. Que pela vossa santa Cruz remistes o mundo.

MEDITAÇÃO

É este o meu ideal; recolher o sangue que mana do sacrifício de Jesus, para o derramar nas almas. Associa-te a mim, agindo em tudo por amor; aceitando todos os sofrimentos com alegria para consolar o Homem-Deus (C 147).

Pai-nosso, Avé Maria, Glória ao Pai…

V. Pecamos, Senhor.

R. Tende compaixão de nós.


11. JESUS PROMETE O SEU REINO AO BOM LADRÃO

Quanto a nós, fez-se justiça, pois recebemos o castigo que as nossas acções mereciam; mas Ele nada praticou de condenável. E acrescentou: “Jesus, lembra-te de mim, quando estiveres no teu Reino”. Ele respondeu-lhe: “Em verdade te digo: hoje estarás comigo no Paraíso” (Lc 23, 41-43).

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Jesus.

R. Que pela vossa santa Cruz remistes o mundo.

MEDITAÇÃO

Queria que Jesus fosse o seu amigo íntimo, no qual depositasse o seu coração cansado e saciado de sofrimentos… Como a sua vida se transformaria, se fosse a Ele frequentemente como a um amigo! Julga acaso que Jesus não o receberia como tal? Se pensasse tal coisa, mostraria que não o conhece. Ele é todo ternura, todo amor para as suas criaturas pecadoras. Ele mora no sacrário com o coração aberto para nos receber, e aguarda-nos ali para nos consolar… o único capaz de nos satisfazer. Além disso, por quê temer aproximar-se a Nosso Senhor, quando Ele mesmo disse que era o Bom Pastor, que dava a vida para recuperar a ovelha perdida? E disse que vinha procurar os pecadores (C 150).

Pai-nosso, Avé Maria, Glória ao Pai…

V. Pecamos, Senhor.

R. Tende compaixão de nós.


12. JESUS CRUCIFICADO, A MÃE E O DISCÍPULO AMADO

Então, Jesus, ao ver ali ao pé a sua mãe e o discípulo que Ele amava, disse à mãe: “Mulher, eis o teu filho!” Depois, disse ao discípulo: “Eis a tua mãe!” E, desde aquela hora, o discípulo acolheu-a como sua (Jo 19, 26-27).

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Jesus.

R. Que pela vossa santa Cruz remistes o mundo.

MEDITAÇÃO

Peço à Virgem que seque as suas lágrimas, acalme a sua vida tão cheia de perturbações, e seja também a sua companhia na solidão; e, sobretudo, peço à Santíssima Virgem que seja a sua advogada, a sua Mãe terna e carinhosa a quem tanto amou, a sua protectora no horrível transe da morte. Invoque-a sempre, e mais ainda quando a sua alma lute com o desânimo. Então diga-lhe: “Maria, mostra-me que és minha Mãe”. Invoque-a quando lute para cumprir os seus deveres de cristão. Peça-lhe que o faça ser seu verdadeiro filho; que extinga na sua alma o fogo das paixões com o seu olhar de suavidade… Quando sofrer, olhe a sua Mãe Dolorosa com Jesus morto nos seus braços. Compare a sua dor. Nada há que se lhe assemelhe. É o seu único Filho, morto, destruído pelos pecadores. E à vista do corpo ensanguentado do seu Deus, das lágrimas de sua Mãe Maria, aprenda a sofrer resignado, aprenda a consolar a Santíssima Virgem, chorando os seus pecados (C 150).

Pai-nosso, Avé Maria, Glória ao Pai…

V. Pecamos, Senhor.

R. Tende compaixão de nós.


 13. JESUS MORRE NA CRUZ 

E Jesus, clamando outra vez com voz forte, expirou. Então, o véu do templo rasgou-se em dois, de alto a baixo. A terra tremeu e as rochas fenderam-se (Mt 27, 50-51).

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Jesus.

R. Que pela vossa santa Cruz remistes o mundo.

MEDITAÇÃO

Como não morremos de amor ao ver que [a] todo um Deus não lhe basta já fazer-se menino, sujeitar-se às nossas misérias, ter fome, sede, sono, cansaço, sendo Deus não lhe basta o passar por um pobre artesão, mas humilha-se até à morte de cruz – morte de criminoso naquele tempo –; não lhe basta dar-nos gota a gota o seu sangue divino. Quer mais no seu infinito amor. E quando o homem prepara a sua morte, Ele faz-se nosso alimento para nos dar vida. Um Deus alimento… pão das suas criaturas, não é para nos fazer morrer de amor? (C 151).

Pai-nosso, Avé Maria, Glória ao Pai…

V. Pecamos, Senhor.

R. Tende compaixão de nós.


 14. JESUS É SEPULTADO 

José tomou o corpo, envolveu-o num lençol limpo e depositou-o num túmulo novo, que tinha mandado talhar na rocha. Depois, rolou uma grande pedra contra a porta do túmulo e retirou-se. Maria de Magdala e a outra Maria estavam ali sentadas, em frente do sepulcro (Mt 27, 59-61).

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Jesus.

R. Que pela vossa santa Cruz remistes o mundo.

MEDITAÇÃO

Um dia virá na vida em que lutarás sem ninguém. Quem será então o teu apoio? Deus. A morte abrir-te-á também um abismo de mistérios; e tu estarás só com Deus. Por quê não amar a este Deus que, não necessitando de nós, nos ama, nos olha e sempre nos prodiga os seus bens? Viver de amor, viver no céu, em Deus. É esta a única dita da alma. Não julgues que te oculta que há sofrimentos; mas na cruz está o amor, e amando é-se feliz (C 159).

Pai-nosso, Avé Maria, Glória ao Pai…

V. Pecamos, Senhor.

R. Tende compaixão de nós.


15. JESUS RESSUSCITOU DE ENTRE OS MORTOS

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Jesus.

R. Que pela vossa santa Cruz remistes o mundo.

MEDITAÇÃO

Quão feliz se sente o coração quando se entoa o “Gloria in excelsis” depois de ver Nosso Senhor sofrer tanto por nosso amor! Depois de presenciar a horrível cena do Calvário na sexta-feira santa, com quantas ânsias espera a alma que ama presenciar no domingo a cena do triunfo mais completo de Nosso Senhor sobre a morte e sobre o pecado! (C 86).

Pai-nosso, Avé Maria, Glória ao Pai…

V. Pecamos, Senhor.

R. Tende compaixão de nós.

Deus misericordioso, alegria dos Santos, que inflamastes o jovem coração de Santa Teresa dos Andes com o fogo do amor virginal a Cristo e à sua Igreja e a fizestes jubilosa testemunha da caridade mesmo no meio dos sofrimentos, concedei-nos, por sua intercessão que, movidos pelo Espírito Santo, também nós, revestidos da sua doçura, proclamemos no mundo, com palavras e obras, o Evangelho da caridade. Por Nosso Senhor.


 

Santa Teresa dos Andes, nasceu em Santiago do Chile a 13 de Julho de 1900. Aos catorze anos, inspirada por Deus, decidiu consagrar-se a Deus na vida religiosa, como carmelita descalça. O seu desejo realizou-se a 7 de Maio de 1919 com o seu ingresso no pequeno mosteiro do Espírito Santo na aldeia dos Andes, a uns 90 km de Santiago. A 14 de Outubro do mesmo ano tomou o hábito de carmelita e recebeu o nome de Teresa de Jesus. De há muito sabia que morreria jovem. O Senhor tinha-lho revelado. Assumiu esta realidade com alegria, serenidade e confiança. A 7 de Abril fez a profissão religiosa in articulo mortis. Faltavam 3 meses para fazer 20 anos e 6 meses para terminar o noviciado canónico e poder emitir juridicamente a sua profissão religiosa. No entardecer do 12 de Abril de 1900 passou deste mundo para o Pai por causa de um violento ataque de tifo. Morreu como noviça carmelita descalça. É a primeira Santa carmelita descalça fora da Europa.

Teresa dos Andes, com a linguagem da sua vida intensa, confirma-nos que Deus existe, que Deus é amor e alegria, que é a nossa plenitude.


https://carmeloaveiro.carmelitas.pt/

 

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

  • Facebook
  • Google+
  • Twitter
  • YouTube