Pages Navigation Menu

Estar reclinados sobre o peito de Jesus

Estar reclinados sobre o peito de Jesus

Reclinados sobre o peito de Jesus é entregar-se ao Seu Amor e deixar que esse amor nos faça nascer de novo, nos faça descobrir a nossa vocação primeira que é a de ser filhos de Deus. Estar reclinados sobre o peito de Jesus é aceitar padecer a força do amor a actuar em nós e revivermos no nosso ser o mistério da Anunciação e da Encarnação.

É reclinados sobre o peito de Jesus que Deus vem até nós e nos convida a entrar no seu projecto de amor, isto é, nos convida a entrarmos dentro de nós mesmos, aí onde na profundidade do nosso ser, o Verbo Eterno é gerado, na força do Espírito Santo que nos cobre com a sua sombra e faz com que o Filho de Deus se forje em nós.

Reclinados sobre o peito de Jesus entramos: «na plenitude do tempo, em que Deus enviou o seu Filho, nascido de uma mulher, nascido sob o domínio da Lei, 5para resgatar os que se encontravam sob o domínio da Lei, a fim de recebermos a adopção de filhos. 6E, porque sois filhos, Deus enviou aos nossos corações o Espírito do seu Filho, que clama: “Abbá! – Pai!” 7Deste modo, já não és escravo, mas filho; e, se és filho, és também herdeiro, por graça de Deus» (Gal 4,4-7).

Dispormo-nos a estar reclinados sobre o peito de Jesus, como discípulos amados é entrar numa nova dimensão do tempo – a plenitude da graça – isto significa que nos abrimos a acolher a presença de Deus. A presença de Deus é a plenitude do tempo. Estar na presença de Deus é viver na plenitude do tempo. E Deus vem ao nosso encontro no seu Filho Jesus Cristo. Nascido duma mulher, isto é, dum corpo igual ao nosso, na condição humana de criatura. Iguala-se a nós em Maria, fazendo-se homem no seu seio. E através de Maria iguala-nos a Ele, ao convertê-la em cheia de graça e junto à cruz em Mãe da graça, pela qual nascemos não para a lei, mas para a graça.

Da plenitude do Verbo feito carne todos recebemos graça sobre graça, porque a graça e a Verdade vieram por Jesus Cristo e assim fomos libertados do jugo da lei e tornados filhos de Deus, gerados pela graça.

Deus quando vem ao nosso encontro vem para nos re-criar, para nos fazer viver o gozo e a plenitude da alegria de sermos suas criaturas, seus filhos muito amados em quem Ele põe as suas complacências.

Estar reclinados sobre o peito de Jesus exige que cada um de nós coloque o seu ouvido sobre o coração de Jesus e escute as palavras de amor que Ele lhe diz. Se abra a elas e deixe que empapem o seu coração, a sua vida e todo o seu ser porque elas não voltam ao divino Coração sem antes terem produzido o seu efeito, sem nos terem aproximado do Verbo Eterno, que vive no interior de nós mesmos.

Este Coração é semelhante a muitos outros, coração de uma pessoa, e ao mesmo tempo único, porque é o coração do Filho de Deus. Cada pessoa habita de algum modo no seu coração e no Coração do Homem de Nazaré habita Deus. Ele é «templo de Deus», por ser Coração do homem Jesus Cristo.

Deus filho está unido com o Pai como Verbo Eterno, «Deus de Deus, Luz da luz… gerado não criado». O filho está unido com o Pai no Espírito Santo, que é o “sopro” do Pai e do Filho e é na Trindade a Pessoa-Amor. O Coração do Homem Jesus Cristo é no sentido trinitário, “templo de Deus”. É o templo interior do Filho que está unido ao Pai no Espírito Santo mediante a unidade da Divindade. É um mistério grande o deste Coração, que é “templo de Deus” e “morada do Altíssimo”.

Ao mesmo tempo que é templo de Deus é também “morada de Deus entre os homens”, o Coração de Jesus no seu templo interior abraça todos os homens. Neste templo todos nos encontramos abraçados pelo amor eterno, todos escutamos a promessa de Jesus à nossa vida: «Amei-te com amor eterno. Por isso me és tão querido.»

Neste mês em que celebramos o Coração de Jesus, a morada de Deus no meio de nós, somos convidados a passar alguns momentos do nosso dia com este Divino Coração e a rezar-Lhe. E quando parece que nos faltam as palavras para Lhe falar digamos-Lhe: «Sagrado Coração de Jesus que tanto nos amais fazei que vos amemos cada vez mais».

 

Carmelo de Cristo Redentor

https://carmeloaveiro.carmelitas.pt/


 

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

  • Facebook
  • Google+
  • Twitter
  • YouTube