Pages Navigation Menu

JESUS CHAMA OS DISCÍPULOS E ENVIA-OS EM MISSÃO

Georgino Rocha

Jesus chama os discípulos, após ter percorrido aldeias e povoados, ensinado nas sinagogas, pregado a Boa Notícia do Reino e curado enfermos. Desperta o interesse das pessoas que O seguem em multidão. O seu proceder era diferente do habitual entre os pregadores itinerantes, contrastava com a mentalidade predominante, preferindo a misericórdia ao sacrifício e o amor à lei e sua observância.

Ao ver a multidão e sentindo compaixão por ela pois estava cansada e abatida, abandonada como ovelhas sem pastor, Jesus chama os discípulos pelo seu nome. São os Apóstolos, os DOZE. Mt 9, 36 e 10,1-8. São eles: Simão chamado Pedro, André, Tiago e João, filhos de Zebedeu, Filipe e Bartolomeu, Tomé e Mateus, o publicano, Tiago, filho de Alfeu e Tadeu, Simão, o Cananeu e Judas Iscariotes.

Que diversidade de pertenças e de situações sociais. E que grande iniciação lhes faz Jesus, antes de os enviar em missão. Depois o Espírito Santo se encarrega de prosseguir esta formação. Alguns exemplos facilitam o acesso a este labor. Os irmãos de sangue vêem as suas relações determinadas pelo fazer a vontade do Pai (Mt 12, 50); Mateus, de cobrador de impostos e colaboracionista do sistema administrativo romano torna-se discípulo e Apóstolo; Simão, o Cananeu,, de um passado de zelota, de resistente armado contra os Romanos, de igual modo; Judas que de amigo vem a ser o traidor. (Manicardi).

Jesus revela o seu propósito original – o de dar início ao projecto de um relacionamento humano de iguais, onde se valorizem as diferenças e se promova a liberdade. A partir do seu grupo, esteios da Igreja e luzeiros da nova humanidade. Por isso, os envia em missão e lhes indica o mundo como horizonte, o serviço de libertação integral como acção concreta, a compaixão como atitude constante e solícita.

“Ide”, diz-lhes Jesus. Percorrei os caminhos da vida, entrai em casa de quem vos receber e proclamai a Boa Nova de que sois portadores.

O Papa Francisco no seu comentário afirma: “Se um discípulo fica parado e não sai, não dá aos outros aquilo que recebeu no Batismo, não é um verdadeiro discípulo de Jesus: falta-lhe a missionariedade, falta-lhe sair de si próprio para levar gratuitamente alguma coisa boa aos outros vindo”.

E o Papa continua: “Contudo, há outro percurso do discípulo de Jesus: o percurso interior, o percurso dentro de si, o percurso do discípulo que procura o Senhor todos os dias, na oração, na meditação. E conclui: Se não procurar continuamente a Deus, o Evangelho que leva aos outros será um Evangelho débil, diluído, sem força”.

Como “encaixamos” no nosso dia-a-dia estas indicações de Jesus? Que sentido lhes damos? Sentimos “o fogo” da missão, saímos da nossa zona de conforto e vemos com olhos novos as situações gritantes que nos rodeiam e nos chegam de toda a parte a pedir ajuda para aliviar a sua desumanidade?

Tolentino de Mendonça, cardeal madeirense que, no passado dia 10, presidiu às Comemorações do Dia de Portugal, diz na sua solene mensagem:

“Uma comunidade desvitaliza-se quando perde a dimensão humana, quando deixa de colocar a pessoa humana no centro, quando não se empenha em tornar concreta a justiça social, quando desiste de corrigir as drásticas assimetrias que nos desirmanam, quando, com os olhos postos naqueles que se podem posicionar como primeiros, se esquece daqueles que são os últimos. Não podemos esquecer a multidão dos nossos concidadãos para quem o Covid19 ficará como sinónimo de desemprego, de diminuição de condições de vida, de empobrecimento radical e mesmo de fome. Esta tem de ser uma hora de solidariedade.”

 


 

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

  • Facebook
  • Google+
  • Twitter
  • YouTube