Pages Navigation Menu

IDE EM MISSÃO ANUNCIAR A PAZ 

DOMINGO XIV DO TEMPO COMUM

Georgino Rocha 

Jesus prossegue o seu caminho para Jerusalém. Decidido e firme. Cria oportunidades e aproveita ocorrências para lançar os discípulos em experiências de missão. De forma ousada e confiante. Faz-lhes advertências e dá-lhes instruções sobre o modo de agir. Com clareza e determinação. Envia-os a anunciar a paz, sinal de que o reino de Deus está próximo. Sem demora e com leveza. Lc 10, 1-12. 17-20. 

Acolhe-os, com solicitude, no regresso, escuta, com minuciosa atenção, a comunicação do que havia sucedido a cada um, rejubila com eles pelas maravilhas ocorridas e encaminha as razões do seu estado de espírito, dizendo: “Alegrai-vos antes porque os vossos nomes estão escritos nos Céus”. 

Madre Teresa de Calcutá, fundadora das Missionárias da Caridade exortava as suas Irmãs a darem sempre um sorriso alegre a todas as pessoas, sobretudo às que mais sofrem. Às crianças, aos pobres, a todos os que estão sós, dai um sorriso alegre; não lhes ofereçais apenas as vossas mãos, mas também o vosso coração. Talvez não estejamos em condições de dar muito, mas podemos sempre dar a alegria que brota de um coração que ama a Deus. A alegria é muito comunicativa. Por isso quando estiverdes entre os pobres, estais cheias de alegria. 

O caminhar de Jesus tem referências e horizontes bem definidos. Trata-se de aproveitar a metáfora do percurso terreno, com sábia pedagogia, para clarificar opções e definir critérios, moldar sentimentos, amadurecer atitudes, alargar espaços de liberdade, marcar o ritmo e o rumo da missão a realizar em todos os tempos: Ir às aldeias – agregados do povo simples e solidário, visitar cada casa familiar – espaço da proximidade e do perdão que gera a paz, entrar nas cidades e aceitar a hospitalidade oferecida de quem aí mora – gestos de bom acolhimento, de abertura a novas formas de convivência e de partilha, de entrar em círculos mais estreitos de amizade, de dizer em público a relação nova que está a surgir.

“A vida que Jesus levou, como profeta itinerante e nunca instalado, bem como os discípulos que O seguiram, dão dados que indicam que se deu uma continuidade entre Jesus e o grupo dos discípulos. Estes prolongaram até os dias de hoje a mensagem de Jesus, a sua revelação de Deus e o seu projecto de uma ética que nos humaniza e faz este mundo mais habitável, J. M. Castillo, La Religión de Jesús, comentarios al Evangelio diario, ano C. 2018. 

O envio dos discípulos é dirigido a todos. O número 72 comporta este símbolo. Eram os povos conhecidos. Neles, está toda a humanidade. A missão é universal. Realiza-se na reciprocidade de dons: oferecer o que cada um tem de valioso e, simultaneamente, receber a oferta que expressa o ser do outro. Todas as culturas estão dotadas de bens apreciáveis, todas as religiões contêm expressões e rituais de grande significado. Também as confissões católicas/Igreja encerram ricas mensagens de humanização da pessoa e das sociedades, criam laços de fraterna convivência entre os seus membros, configuram, de modo sacramental, a pessoa e obra de Jesus Cristo prosseguida pelo seu Espírito na Igreja. Entrar em comunhão com os valores humanos e valorizar a originalidade fiel do Evangelho, eis o desafio da missão católica.  


Please follow and like us:
Pin Share
  • Facebook
  • Google+
  • Twitter
  • YouTube
RSS
Follow by Email